Influência de políticas públicas no saneamento básico

Reflexos socioeconômicos no Sul de Minas Gerais

Palavras-chave: Políticas Públicas. Saneamento Básico. Infraestrutura. Universalização. Sul de Minas Gerais.

Resumo

Este trabalho aborda o papel das políticas municipais de saneamento na universalização do saneamento básico. Para isso, buscou-se responder à pergunta: as políticas municipais de saneamento estão relacionadas aos índices de água e esgoto de municípios do Sul de Minas? Foram analisadas a existência e a relação das políticas municipais de saneamento e dos índices de água e esgoto dos 155 municípios que compõem o Sul de Minas Gerais, e os reflexos em aspectos socioeconômicos. Trata-se de um ensaio teórico relacional sobre as políticas públicas de saneamento e análise dos índices de políticas municipais de saneamento, de água e esgoto (dados secundários). Por meio da aplicação de estatística descritiva, foi possível compreender os papéis das políticas públicas e sua interação com a infraestrutura de saneamento básico. Verificou-se que as políticas públicas de saneamento dos municípios do Sul de Minas interagem com os índices de saneamento (água e esgoto), pois à medida que aumentam os municípios com políticas públicas de saneamento, também elevam os índices da universalização do saneamento, como população atendida, água tratada e esgoto coletado.

Biografia do Autor

Liliane Aparecida da Silva Marques, Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS

Mestranda do Programa de Gestão e Desenvolvimento Regional. Especialista em Gestão de Pessoas e Controladoria e Auditoria. Graduada em Ciências Contábeis. Possui experiência como Analista Contábil e de Suporte Técnico de Sistemas, Auxiliar Administrativo, atendimento, vendas e treinamentos. Áreas de atuação: Ciências Sociais e Aplicadas, Interdisciplinaridade, Ciências Humanas e Econômica (Gestão da Inovação, Sustentabilidade, Saneamento Básico, Empreendedorismo, Desenvolvimento Regional, Práticas Pedagógicas, Gestão de Pessoas, Gestão Estratégica, Contabilidade Gerencial, Sistemas de Informações, Redes de Negócios e Cluster).

Alessandro Ferreira Alves, Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS

Doutor em Matemática Aplicada a Engenharia Elétrica pela Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação da Universidade Estadual de Campinas (FEEC-UNICAMP), Mestre em Matemática Pura pelo Instituto de Matemática, Estatística e Computação da Universidade Estadual de Campinas (IMECC-UNICAMP) e Licenciado em Matemática pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atua como docente nas áreas de Matemática, Física, Estatística, Gestão e Computação em diversos cursos de graduação e pós-graduação na modalidade presencial e a distância. É membro do CONSELHO UNIVERSITÁRIO ? CONSUN do Grupo UNIS-MG desde o ano de 2009. Além disso, é professor autor para desenvolvimento de materiais para a modalidade a distância tanto em cursos de graduação como de pós-graduação. Tem experiência na modalidade EAD desde o ano de 2005. De outra forma, atua em projetos de consultoria na área de Finanças, Estatística Aplicada ao Mercado, Gestão Financeira e ao Controle Estatístico de Processos (CEP), bem como, revisor da revista SODEBRAS desde o ano de 2017. Salienta-se ainda que o mesmo possui experiência em programas de Strictu Sensu como professor de disciplinas e orientador de dissertações de mestrado. Atualmente é avaliador do INEP/MEC para cursos de graduação e pós-graduação nas áreas de Matemática e Física, bem como é membro titular do Stricto Sensu do Grupo UNIS-MG. Membro também do grupo de pesquisa GPGDER - Grupo de Pesquisa em Gestão e Desenvolvimento Econômico Regional. Atualmente é coordenador dos cursos de graduação do Núcleo de Exatas e Gestão de TI, especificamente coordenador dos cursos de Licenciatura em Mtemática (EAD) desde o ano de 2007, Licenciatura em Física (EAD) desde o ano de 2015, Bacharelado em Sistemas de Informação (EAD) desde o ano de 2021, Superior de Tecnologia em Jogos Digitiais (EAD) desde o ano de 2021 e Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas desde o ano de 2021. E-mail: alemengo2003@yahoo.com.br ou alessandro.alves@unis.edu.br ou alessandro.alves@professor.unis.edu.br

Rodrigo Franklin Frogeri, Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS

Doutor em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento pela Universidade FUMEC. Mestre em Administração. Especialista em Gestão de Tecnologia da Informação. Especialista em Docência no Ensino Superior. Especialista em Redes de Computadores. Bacharel em Ciência da Computação. Professor do Programa de Pós-Graduação Stricto-Sensu em Gestão e Desenvolvimento Regional do Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS-MG. Líder dos Grupos de Pesquisa no CNPq: GPGDER - Grupo de Pesquisa em Gestão e Desenvolvimento Econômico Regional e GEADO - Grupo de Estudos em Ambidestria Dinâmica Organizacional. Na pós-graduação em regime de Especialização do UNIS-MG atuou nos cursos de Engenharia de Software com Java, Desenvolvimento de Aplicativos para Dispositivos Móveis, Gerência e Tecnologias de Redes de Computadores e MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Atualmente, na Pós-Graduação (lato-sensu), ministra aulas no MBA Executivo em Governança de Tecnologia da Informação, Especialização em Cibersegurança e Perícia Forense Computacional e no MBA em Planejamento e Gesta?o Estrate?gicas. Na graduação ministra aulas nos cursos de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Jogos Digitais, Bacharelado em Sistemas de Informação e Bacharelado em Ciência da Computação. Linhas de pesquisa principais: Governança de Tecnologia da Informação em pequenas e médias empresas; Gestão de TI; Adoção de TI; Gestão de Segurança da Informação; Gestão do Conhecimento; Ambidestria Organizacional.

Elisa Maria Andrade Brisola, Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS

Graduada em Serviço Social pela Universidade do Vale do Paraíba (1984); mestrado e doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996 e 2003 respectivamente). Atualmente é professora assistente da Universidade de Taubaté. Possui experiência na área da politica de assistência social e saúde. Na UNITAU compõe o corpo permanente do Mestrado Interdisciplinar "Desenvolvimento Humano: políticas sociais e Formação", ministrando aulas e orientando alunos. No Centro Universitário Unis -MG participa como professora do corpo permanente do Mestrado em Gestão e Desenvolvimento regional.

Ariovaldo Francisco Silva, Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS

Graduado em Filosofia - Pontifícia Universidade Católica de Campinas/SP PUCC(1988), Especialização Lato-Sensu em Docência no Ensino Superior - Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS - MG (2005). Especialização Lato-Sensu Docência na Educação a Distância - Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS - MG (2007). Mestrado em Letras: Linguagem, Cultura e Discurso - Universidade do Vale do Rio Verde - UNINCOR - MG (2009) e Doutorado em Educação pela Universidade São Francisco - USF - Campus-Itatiba/SP (2020). Secretário Geral do Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS-MG e do Grupo Educacional UNIS, Mantido pela Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - FEPESMIG, Docente das disciplinas Filosofia, Filosofia da Educação e Ética e Sociedade nos cursos de graduação nas modalidades de ensino presencial e a distância, foi coordenador do Curso de Licenciatura em Filosofia a distância de 2007/01 à 2010/01, pelo Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS-MG. Voluntário do Unis-Sênior do UNIS-MG e membro do Grupo de Pesquisa TCTCLAE - Teoria Crítica e Teorias Críticas Latino-Americanas e Educação (CNPq/USF) e do Grupo de Pesquisa Estudos Interdisciplinares em Formação, Inovação e Desenvolvimento-FID (CNPq/UNIS/MG).

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Veja as principais mudanças no novo Marco Legal do Saneamento. O novo marco legal define universalização de serviços sanitários. 2020.

Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-07/veja-principais-mudancas-no-novo-marco-legal-do-saneamento. Acesso em: 25 fev. 2022.

ARRUDA, L. P. S. Pernambuco: agravos à saúde relacionados a falta de saneamento. 2019. Trabalho de Término de Curso (Bacharelado em Saúde Coletiva). Curso de Saúde Coletiva - Universidade Federal de Pernambuco, Vitória do Santo Antão, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/31919. Acesso em: 25 maio 2021

BAYER, N. M.; URANGA, P. R. R.; FOCHEZATTO, A. Política municipal de saneamento básico e a ocorrência de doenças nos municípios brasileiros. URBE - Revista Brasileira de Gestão Urbana, Curitiba, v. 13, p. 1-17, 2021. ISSN 2175-3369 versão online. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3369.013.e20190375.

BEHRING, E. R; BOSCHETTI, I. Política Social: fundamentos e história. São Paulo: Cortez Editora – Biblioteca Básica do Serviço Social, v. 2, 2016, E-book (212 p.). ISBN 978-85-249-2445-3.

Disponível em: http://www.unirio.br/cchs/ess/Members/renata.gomes/2020.1/estagio-supervisionado-ii/Bibliografia/complementar/Politica%20social%20-%20fundamentos%20e%20historia%20-%20BEHRING-%20ELAINE.pdf/view. Acesso em: 01 nov. 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Supremo Tribunal Federal, [2019]. 577 p. ISBN: 978-85-54223-41-0. Disponível em: https://www.stf.jus.br/arquivo/cms/legislacaoConstituicao/anexo/CF.pdf. Acesso em: 03 mar. 2021.

BRASIL. Lei Federal 14.026, de 16 de julho de 2020. Atualiza o marco legal do saneamento básico [...]. Diário Oficial da União, seção: 1, Brasília, edição: 135, [2020]. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/lei-n-14.026-de-15-de-julho-de-2020-267035421. Acesso em 03 mar. 2021.

BRESSER-PEREIRA, L. C. A construção política do Estado. Lua Nova: Revista de Cultura e Política. São Paulo, n. 81, p. 117-146, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-64452010000300006. ISSN 1807-0175. 2010.

CANDIDO, S. E. A. et al. Campos nos estudos organizacionais: abordagens relacionais? Gestão & Produção [online], São Carlos, v. 25, n. 1, p. 68-80, jan./mar. 2018. ISSN 1806-9649. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-530X2122-16.

CASTRO, J. A. Política Social e Desenvolvimento no Brasil. Economia e Sociedade. Campinas, v. 21, n. spe, p. 1011-1042, dez. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-06182012000400012.

CORREIA, M. L.S.F; ESPERIDIÃO, F; MELO, R. L. Evolução das Políticas Públicas de Saneamento Básico do Brasil, do Planasa ao PAC - Saneamento. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA POLÍTICA, XXV, 2020, Salvador. Anais eletrônicos [...]. UFBA, 2020. ISBN: 2177-8345. Disponível em: https://www.sep.org.br/01_sites/01/index.php/enep-2/enep-edicoes-anteriores/anais-dos-eneps. Acesso em: 03 jul. 2021.

DIAZ, R. R. L.; NUNES, L. R. A evolução do saneamento básico na história e o debate de sua privatização no Brasil. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, Guanambi, v. 7, n. 02, p. 1-23. e292, jul./dez. 2020. ISBN: 2447-6536. DOI: https://doi.org/10.29293/rdfg.v7i02.292.

FERREIRA, T. B. Uma proposta de abordagem da estatística descritiva no ensino fundamental. 2020. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Cornélio Procópio, 2020. Disponível em: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/5437. Acesso em: 19 jul. 2021.

GALVÃO JUNIOR, A. C. Desafios para a universalização dos serviços de água e esgoto no Brasil. Revista Pan-americana de Saúde Pública, Washington, v. 25, n. 6, p. 548-556, jun. 2009. ISSN eletrônico: 1680-5348.

GOMES, F. D. Falta de Saneamento: o preço que o Estado e população pagam. In: REI F.; GRANZIERA, M. L. M.; GONÇALVES, A. (Orgs.). Paradiplomacia Ambiental - Agenda 2030 - environmental paradiplomacy. E-book (340 p.). e-ISBN: 978-65-87719-11-5. Santos: Editora Universitária Leopoldianum, p. 109-129, 2020. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/349773705Alem_do_habitual_reflexoes_sobre_propostas_de_solucoes_duraveis_no_ambito_das_migracoes_forcadas. Acesso em 30 out. 2021.

GOVERNO DO BRASIL, 2020. Repasse de Recursos: Municípios brasileiros têm até dezembro de 2022 para elaborar Planos de Saneamento Básico. Disponível em:

https://www.gov.br/pt-br/noticias/assistencia-social/2020/02/municipios-brasileiros-tem-ate-dezembro-de-2022-para-elaborar-planos-de-saneamento-basico. Acesso em: 30 out. 2021

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros Saneamento básico: aspectos gerais da gestão da política de saneamento básico: 2017. Rio de Janeiro: Gerência de Biblioteca e Acervos Especiais, 2018. E-book (39 p.). ISBN 978-85-240-4467-0 Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101610.pdf. Acesso em: 03 jun. 2021.

INSTITUTO TRATA BRASIL. Estudo do Trata Brasil expõe os impactos da falta de saneamento nos estados brasileiros em relação a saúde. 2019. Disponível em: https://www.tratabrasil.org.br/pt/estudo-blog/estudos-itb/estudo-do-trata-brasil-expoe-os-impactos-da-falta-de-saneamento-nos-estados-brasileiros-em-relacao-a-saude. Acesso em: 20 out. 2021.

INSTITUTO TRATA BRASIL. Benefícios econômicos da expansão do saneamento no estado de Santa Catarina. 2021. Disponível em: https://tratabrasil.org.br/images/estudos/BENEF%C3%8DCIOS_ECON%C3%94MICOS_E_SOCIAIS_NO_ESTADO_DE_SANTA_CATARINA/Relat%C3%B3rio_Completo.pdf. Acesso em: 20 fev. 2022.

INSTITUTO TRATA BRASIL. Novo estudo mostra que universalização do saneamento básico em 20 anos traria ao país benefícios econômicos e sociais de R$ 537 bilhões. 2015. Disponível em: http://www.tratabrasil.org.br/datafiles/estudos/beneficios-ecosocio/press-release.pdf. Acesso em: 02 set. 2021.

MACEDO, S. Políticas Públicas: o que são e para que existem. Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe. 2018. Disponível em: https://al.se.leg.br/politicas-publicas-o-que-sao-e-para-que-existem/. Acesso em 03 dez. 2020.

MEDEIROS, V.; RODRIGUES, C. T; Políticas públicas municipais, universalização e eficiência no setor de saneamento básico: uma análise para os municípios mineiros. Revista Planejamento e Políticas Públicas. Brasília, n. 53, p. 183 - 210, 2019.

OLIVEIRA, E. P. Paradigma Interpretativista nos Estudos Organizacionais. In: SEMINÁRIO DOS CURSOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO CAMPUS DE CAMPO MOURÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ. IV, 2018, Campo Mourão. Anais eletrônicos [...]. Campo Mourão: Universidade Federal do Paraná, 2018. Disponível em: http://anais.unespar.edu.br/iv_secisa/data/uploads/administracao/oliveira_paradigma-interpretativista-nos-estudos-organizacionais_iv-secisa-2018.pdf. Acesso em: 09 abr. 2021.

OLIVEIRA, M. A. S. O planejamento estatal como instrumento para a efetividade da política pública de saneamento básico: um estudo sobre os serviços de esgotamento sanitário no município de Fortaleza - CE. 2019. Dissertação (Mestrado em Direito) - Faculdade de Direito, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2019. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/48977. Acesso em 28 maio 2021.

PAZ, M. G. A.; FRACALANZA, A. P. Social control in basic sanitation at Guarulhos (SP): the municipal council of urban policies. Ambiente & Sociedade, v. 23, p. 1-20, 2020. ISSN 1809-4422 [online]. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc20190019r1vu2020L4AO.

PITASSI, S. L.B.; FERREIRA, A. P. A atuação do Poder Judiciário na concreação das políticas públicas de saneamento básico: possibilidades e limites. Saúde e debate. Rio de Janeiro, v. 43, n. 4, p. 111 – 125, 2019. ISBN: 0103-1104. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019S410.

ROSITO, C.A. Do PLANASA ao PLANSAB: os últimos 50 anos da água e do esgoto no Brasil. SAINT-GOBAIN CANALIZAÇÃO, 2019. Disponível em: https://www.sgpam.com.br/artigos/do-planasa-ao-plansab-os-ultimos-50-anos-da-agua-e-do-esgoto-no-brasil. Acesso em: 18 dez. 2020.

SANTOS, F. F. S. et al. O desenvolvimento do saneamento básico no Brasil e as consequências para a Saúde Pública. Revista Brasileira de Meio Ambiente, v.4, n.1, p. 241-251, 2018. ISSN: 2595-4431.

SILVA, R. Políticas Públicas para o Saneamento Básico Nacional: a problemática da universalização. Cadernos de Economia Revista do Curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, Chapecó, v.21, n.37, p.87-109, jan./jul. 2017. DOI: https://doi.org/10.46699/rce.v21i37.2800.

SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento) (a). Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento - 2020. Disponível em: http://www.snis.gov.br/painel-informacoes-saneamento-brasil/web/painel-setor-saneamento. Acesso em: 11 fev. 2022.

SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento). Resultado da consulta: Informações e indicadores municipais consolidados. Política municipal de saneamento por regiões - 2018. Disponível em: http://app4.mdr.gov.br/serieHistorica/#. Acesso em: 31 out. 2021.

SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento). Resultado da consulta: Informações e indicadores municipais consolidados. Política municipal de saneamento por regiões - 2019. Disponível em: http://app4.mdr.gov.br/serieHistorica/#. Acesso em: 01 nov. 2021.

SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento). Resultado da consulta: Informações e indicadores municipais consolidados. Política municipal de saneamento por regiões - 2020. Disponível em: http://app4.mdr.gov.br/serieHistorica/#. Acesso em: 12 fev. 2022.

SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento). Resultado da consulta: Informações e indicadores municipais consolidados. Políticas municipais de saneamento dos municípios do Sul de Minas em 2011, 2017, 2018, 2019 e 2020. Disponível em: http://app4.mdr.gov.br/serieHistorica/#. Acesso em: 18 fev. 2022.

SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento). Resultado da consulta: Informações e indicadores municipais consolidados. População dos municípios do Sul de Minas atendida pelos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário em 2011, 2017, 2018, 2019 e 2020. Disponível em: http://app4.mdr.gov.br/serieHistorica/#. Acesso em: 19 fev. 2022.

SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento). Resultado da consulta: Informações e indicadores municipais consolidados. Volumes totais de água produzida e tratada nos municípios do Sul de Minas em 2011, 2017, 2018, 2019 e 2020. Disponível em: http://app4.mdr.gov.br/serieHistorica/#. Acesso em: 20 fev. 2022.

SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento). Resultado da consulta: Informações e indicadores municipais consolidados. Comparativo dos volumes de água produzida e esgoto coletado nos municípios do Sul de Minas nos anos de 2011, 2017, 2018, 2019 e 2020. Disponível em: http://app4.mdr.gov.br/serieHistorica/#. Acesso em: 22 fev. 2022.

SOUZA, T. S; NASCIMENTO, P. S. Análise multivariada e tendência da precipitação pluviométrica na região hidrográfica do recôncavo sul (BA). Revista Geociências Unesp, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 203-213. 2020. ISSN: 1980-900x (online). DOI: https://doi.org/10.5016/geociencias.v39i1.14000. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/geociencias/article/view/14000. Acesso em: 19 jul. 2021.

VALENTE, S. R. D. P. Do Baixo Controle Social em Políticas Públicas de Saneamento Básico: uma hipótese jurídico institucional. Cadernos Jurídicos. Direito Urbanístico. Escola Paulista de Magistratura. São Paulo, ano 20, v. 1, nº 51, p. 49-67, 2019. ISBN: 1806-5449. Disponível em: http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_boletim/bibli_bol_2006/Cad-Juridicos_n.51.pdf. Acesso em: 02. ago. 2021.

Publicado
2022-05-23
Como Citar
Marques, L. A. da S., Ferreira Alves, A., Frogeri, R. F., Brisola, E. M. A., & Silva, A. F. (2022). Influência de políticas públicas no saneamento básico. Interação - Revista De Ensino, Pesquisa E Extensão, 24(1), 16 - 33. https://doi.org/10.33836/interacao.v24i1.645